30 de jan de 2009

Eu só queria ficar “alegre”...

Certa vez eu e Flávia fomos na formatura de um amigo nosso.
Claro que antes de ir nós duas ficamos tempos na frente do espelho: era a roupa, a maquiagem, o sapato, o cabelo, o cílio esquerdo que estava torto, enfim, coisas de nós, mulheres!

A situação era que eu e ela não conhecíamos ninguém além dele e de seu namorado. E a família inteira não sabia que eles eram namorados.
O pai dele achou que eu fosse um caso do seu filhão.

Eu estava muito bem, mas acabei me apaixonando por um vinho que tinha lá, era um copo atrás do outro...minha amiga dizia

- "Déo, não te aguento no colo"
- O que não falta é homem para me carregar!!

A festa estava maravilhosa, muita gente bonita, muitos casais e o pai do nosso amigo olhando toda hora para mim e dando aquele sorriso "este é o meu filho"

Como eu estava "super alegre" dancei com todos: nosso amigo Ju, o namorado e os outros amigos que ele havia chamado que estavam solteiros, uns avulsos na festa...foi uma festa e tanto! Na hora da valsa, eu já estava simpaticíssima....rindo à toa, há um passo do porre mesmo...
Ai o Ju, nosso amigo vira para mim e diz:

- "A terceira valsa é nossa!!!!!!!!! (risos)" - Juliano também estava bêbado!

- Terceira? Pode ser depois? Não tem problema Ju...por que você não dança a terceira com o Diego? (aliás esta poderia entrar nos " Foras de Deodora ")

- "Déooooooooooooooooooo!!!" - era minha amiga me puxando para o lado e rindo para o pai dele S Silvio.

- Tô brincando, lógico que a terceira valsa é minha Juuuuu, meu amor!!

- "Claro Déooooo"

Como nós dois estávamos bem simpáticos estava tudo certo!!
A valsa foi perfeita imaginem a cena: os dois pisando um no pé do outro e rindo um do outro. Fotos não paravam e a animação não era contida.
Acabada a valsa eu mais alegre ainda decidi comer, pois até aquela hora não tinha comido nada. O jantar era uma massa, o que para mim parecia estragado (não tinha pensado que estragado estava meu fígado naquele momento)

- Vou dormir só um pouquinho porque este macarrão está estragado e me deu sono

- "Tá certo Déo, vou para a pista dançar qualquer coisa me chama, risos"

- Ahammm, boa noite

Eu dormi o tempo todo e só acordei para chamar o Hugo...dentro da minha própria bolsa! Sim, foi nojento.

Mesmo de porre e totalmente zonza, eu educadamente pedi para ir para casa. Me despedi de todos e pedi desculpas para Sr Silvio, que disse que faria questão que eu fosse visitá-lo no próximo final de semana, afinal de contas eu era uma moça muito simpática e bem amiga de seu filho. Antes de responder algo a Flávia me puxou, ficou com medo de eu responder algo não muito legal né...

No carro já se recuperando, eu chego a uma conclusão muito importante:
- Eu só queria ficar alegre, mas acho que me alegrei muito! Nunca mais fico alegre!!! Ju promete que não me deixa ficar alegre?

- "Claro, mas ser alegre é tão bom!"

- Não quando você descobre que vomitou dentro da bolsa e acabou de descobrir que sujou o vestido novo...deixa eu ficar alegre quando estiver de pijama????




25 de jan de 2009

Foras de Deodora...

Na época da adolescência, Déo estava com um namoradinho na casa dele e acabou pegando no sono e dormindo por lá. No dia seguinte a família inteira dele estava reúnida, chega Déo diretamente do quarto dele.
-"Nossa, como você chegou cedo!!!!" (era a ex-futura sogra)
-"É..hmm...cheguei......foi saudade"

Com um cara que tinha acabado de conhecer
- "Onde você trabalha?"
- "Em Varsóvia!"
- "Interior de São Paulo?"
- "Não, é na Europa"
- "Aaaaaaah é que Valinhos, Varsóvia tem sons parecidos, confundi."

Aquele mesmo namoradinho que ela dormiu na casa, disse para ela manga era a sua fruta predileta. Para agradá-lo, fez um doce de manga. Na hora que foi servir o tal doce para ele, uma gargalhada gigantesca ecoou. Déo não entendeu nada. Ele teve que contar que era uma brincadeira que na verdade odiava manga...

Na festa de aniversário da sua cunhada (na época era cunhada)
-"Nossa, seu namorado é meio delicado né, mas combina com você!"
-"Déo, é mulher! "

Um belo dia Déo estava no shopping fazendo compras quando seu celular toca:
-"Oi Déo!"
-"Paulo? (era seu ex), o que quer?"
-"Falar com você o quanto antes, podemos nos ver?"
-"Não vai dar Paulo, eu estou com uma turma num barzinho e estou acompanhada também, fica para a próxima..." (achando que estava por cima da situação)
Ela sente alguem batendo em suas costas
- "Oi Paulo! Tudo bem? A galera acabou de ir embora..."

Internet e MSN Déo também tem problemas...uma vez estava digitando algo parecido com "o meu chefe está muito gato hoje" para uma amiga...quando seu chefe a chama...detalhe - ele estava ao lado dela esperando ela fechar a janelinha do MSN.
Fora uma outra vez que ela estava tão distraída pensando no seu ex que ao invés de mandar para a sua amiga, mandou para ele: "...não tem jeito mesmo, eu gosto daquele baixinho sem vergonha que me faz delirar, mas se ele perguntar isto juro de pe juntos que nunca mais encostarei num fio de cabelo loiro dele..." - "baixinho" era o apelido que ela o chamava!

Estas são algumas das histórias de Déo que eu me lembro, porque Déo além de ser divertidíssima é mestre em foras!
Alguém tem algum fora para contar ai?
Alguma situação constrangedora para Déo nao se sentir sozinha nesta?

23 de jan de 2009

Cai fora quilos...



No mês passado, eu, Deodóra descobri que a balança da minha casa está quebrada e decidi me matricular imediatamente numa academia mais próxima, aqueles quilos a mais do que a balança tem mostrado me deixou doidinha. O efeito psicológico com a balança quebrada sempre funcionou muito bem: de manhã eu acordo, olho na balança e penso - Mantive meu peso!, mas agora tudo mudou e a pergunta é – Desde quando esta balança me engana?

- Realmente, percebi que tinha engordado, estava na cara, aquela calça meta não entra faz muito tempo” (ao telefone com Roberta)"

Para quem não sabe a calça meta é uma calça que eu tenho desde os 20 anos e que não serve mais, mas serve de motivação, eu deixo guardada no armário e de tempos em tempos tento vesti-la, pura auto-punição na minha opinião!

...ainda ao telefone com Roberta...Se eu for analisar bem, aos meus dezoito anos eu tinha exatamente 10 quilos a menos da minha altura, já nos meus vinte e poucos aumentei uns três quilinhos e era aceitável vida mais sedentária, trabalhando, estudando etc...agora em pleno vinte e tantos eu estou com 8 quilos a menos, isto é inaceitável!!!!!!!...

- "Calma Déo, você tem que pensar no que adquiriu!"
- Adquiri gorduras, celulite e PESO oras!!!!
- "(risos) isto é consequência Déo, me refiro a sua jornada, seus amigos, seus conhecimentos, aprendizados. De que adianta ter este corpo que você tanto gostaria sem ter a cabeça que você tem hoje. Você trocaria? E fora que você na época da escola assustava qualquer um né? De que adiantaria aqueles quilos e aquele seu jeito sai de perto que não quero conversa!?"
- ahahahaha Você tem razão! Isto não troco por peso e gordura nenhuma...Lembra? Eu era um bicho do mato mesmo! Não conversava com muita gente e nem gostava de pessoas ao meu lado. Você tem razão! É por isto que eu sempre digo que é bom ter por perto aquelas pessoas que te conhecem tanto...obrigada por me lembrar!

Eu não fiquei muito satisfeita com meus pesos, aliás, nada satisfeira, mas sei que eles não fariam diferença na minha vida hoje em dia. Saúde é importante sim, sempre, mas obsessão não leva ninguém a lugar algum.
É por isto que hoje eu decidi não fazer academia, aliás eu não vou esta semana para a academia...fiquei com perguiça de ir...mas resolvi compartilhar esta situação com vocês..vai que alguém tem uma balança como a minha??

17 de jan de 2009

Déo e seus tipos

Sabe aqueles dias em que você acorda se achando a gostosa?
Eu acordei outro dia assim e decidi colocar a cara no mundo...fui fazer minha caminhada no parque perto de casa.
Na primeira volta dei de cara com um "gajo" bonitão e charmoso que andava com seu cão, pensei "hoje este é meu"! Ele não teve dúvidas em se aproximar e começar uma conversa.

- "Oi, nunca te vi por aqui, meu nome é Marcos e o seu?"
- Deodora, prazer, nunca te vi por aqui também
- " Vamos sentar um pouco?"
- Claro!

A história era perfeita: um homem atraente, uma boa conversa, inteligente e muito mas muuuito interessado! Conversamos por muito tempo, falamos sobre muitos assuntos, ele trabalhava com gastronomia, tinha a mesma idade, ou seja, tudo para dar certo.

Trocamos telefones e marcamos para aquele mesmo dia uma saída para conversarmos mais um pouco.
Fiquei encantada com a conversa e mais tarde Marcos ligou "a cobrar" para a minha residência...embora eu não tenha gostado decidi atender ao telefone o que eu considero um erro, mas fico cega, surda e muda quando me encanto.

Combinamos o encontro da noite com uma observação - eu o pegaria em sua casa, pois ele não tinha carro. A história do carro era a seguinte: ele tinha sofrido um acidente de carro quando mais novo e depois disto não quis mais comprar carro para poder investir em estudos.

Saímos, conversamos, ficamos, conversamos mais um pouco, ficamos de novo, ele pagou a conta (tinha saído uns R$10,00 no máximo) e eu o deixei em sua casa...

"Não era o fim" - pensei

Em 2, 3 dias ele já estava me pedindo em namoro, chamando de meu amor, mas também pediu para que eu tivesse paciência, pois ele estava num momento difícil na vida profissional - Momento difícil na vida profissional = ele não estava trabalhando na área, estava desempregado e de vez em quando aparecia um evento para fazer, mas era um dia aqui e outro daqui dois meses. Como eu, estava num momento carente topei a situação dando um crédito para ele.

Os dias foram passando e ele continuou ligando a "cobrar" até o dia que eu pedi para ele comprar um cartão telefônico (sim, ele não usava celular também). 

Quando saíamos era sempre o mesmo discurso: que o mundo estava contra ele e que ele não desistiria de conseguir chegar onde queria. Onde era mesmo? Não lembro, acho que ele queria ser alguém na vida. Eu penso da seguinte forma: quem quer vai a luta: trabalha no shopping como vendedor, arranja emprego em supermercado, vende purificador de água, sei lá, dá um jeito para conseguir alguma grana e ir atrás dos seus objetivos!

Ele não. Ele trabalharia somente se fosse perto da casa dele e se ele pudesse ir ou apé ou de bike. Se recusava a usar ônibus ou metrô, não ia em festa se não fosse de classe e de rico e dizia ele que só tinha amigos ricos. O sujeito morava no Itaim Bibi - bairro bom em SP.

Eu comecei a procurar empregos para ele e ligava para dizer qual era a vaga em qual endereço e tal (sim, meu máximo da tolerância foi utilizada com ele). Cheguei a passar uns números de telefone de contatos importantes que eu arrumei através de uma amiga e ele pediu para que eu anotasse os números  porque ele estava sem caneta e não dava para anotar. Vontade nenhuma em trabalhar...aquilo foi me consumindo.

Mas o limite para mim foi no dia que íamos à casa de amigos meus para um almoço. Ficamos de comprar tudo para o almoço, ficamos não, eu fiquei.

Tive que buscá-lo em casa (ele não andava de ônibus lembra?), tive que comprar tudo (e pagar) e ainda na hora de ir embora da casa dos amigos ele queria ir ao motel, só que eu teria que pagar.

- "Como é? Pagar o motel? Déo? E você? Foi?" (Bete, Patty, Fabi e Gaby me perguntando)

- Claro que não, deixei ele em casa dizendo que estava cansada demais...e não liguei mais. Só que ele me ligou no dia seguinte e eu falei umas verdades. Como ele era todo dramático disse que eu estava brincando com os seus sentimentos, chorou, esperneou, berrou no telefone, falou que eu estava partindo o coração dele. E detalhe - isto tinha acontecido em apenas duas semanas, não durou mais do que isto.

Ah, e sabem o cão do começo da história? 
Não era dele não, era de um amigo que estava viajando e que pagava todas as despesas do cão mais um valor adicional para ele, por ele estar cuidando...

"- Cai fora Deodora!!!!!" - (Bete, Patty, Fabi e Gaby nos meus ouvidos)