19 de ago de 2010

O Déo e a Benê, não, a Déo e o Benê

Uma amiga minha, a Madá (ela chama-se Madalena) estava passando por uma situação delicada na vida...vou explicar melhor: ela não sabia se gostava de meninos ou meninas.

E nesta fase ela queria que eu a acompanhasse nas baladinhas heterossexuais e homossexuais. Nas heteros era para ela sacar qual era a dela com os caras e nas homos, para não dar bandeira à sua família (que até então não sabia de nada e ainda desconfiava que o negócio era comigo)
Eu não me incomodava de acompanhá-la, pois caráter não é medido pela opção sexual, nunca fui uma pessoa de preconceitos, mas sempre deixei CLARO a ela que não compartilhávamos da mesma opção sexual.

Num sábado ela liga em casa SUPER ANIMADA e diz:
- Déo, to aqui com a Benê (seu nome era Carolina, não sei porque seu apelido era Benê!)e nós vamos até a Clube Z (acho que era este o nome) e vamos passar ai para você se arrumar e ir com a gente!!!!!!! (para quem não conhece São Paulo, Clube Z ou algo assim era uma balada GLS, mais voltada para o público feminino, ou seja, 99% eram mulheres interessadas em mulheres) e para quem não conhece a Benê, a primeira vez que eu a vi chamei de O BENÊ!
Ela é uma mulher que praticamente errou o sexo. Seu cabelo é longo, mas vive preso, suas unhas são curtinhas, só veste roupa de homem (calça bemmmm baixa, camiseta e usa boné ou boina), tem olhos claros se você olhar bem até acha uma barba e numa primeira olhada você acredita que é um homem.

Enfim, diante de toda a empolgação dela falei:
- Tá bom...podem vir!
- Mas Déo a gente tá indo AGORA...inclusive, atende a campainha que sou eu na porta! risos...

Visualizem a situação: eu tinha ACABADO de sair do banho, estava de roupão com os cabelos molhados. Na hora não tive dúvidas, sai assim mesmo e abri a porta.

As duas foram até meu quarto e eu falei:
- Sentem ai que eu vou terminar de me trocar..

Só que nestas de ir me trocar eu acabei esquecendo que a Benê era o Benê e fui e voltei para meu quarto várias vezes com roupas e mais roupas perguntando qual era boa, vestia e trocava de roupa e notei que a Benê nem olhava para a minha cara.

Encontrei uma roupa que não fosse nem muito feminina e nem muito masculina para não causar impacto algum, se bem que o impacto seriam as duas que iam comigo, pois elas eram as meninas MAIS conhecidas no mundo GLS.

Tudo pronto, fomos para a baladinha!
Eu falei para a Madá:
- Madá como hoje é balada quase 100% de mulher eu não vou ficar muito tempo porque você vai se perder lá e eu vou ficar sozinha me sentindo meio fora do meu habitat ta?
Nisso o Benê fala:
- Imagine Déo, hoje você é minha!!! risos
Eu só não me enfiei debaixo do banco do carro porque é pequeno demais para mim...

Chegamos na balada e várias meninas, mulheres e pseudo-homens vieram ao nosso encontro, Madá e Benê eram as mulheres mais visadas do ambiente e como eu estava com elas, era também!!! Peguei uma tequila, minto, peguei algumas tequilas e fomos andando.

Em meio a algumas passadas de mão e alguns elogios nos ouvidos, consegui me sair bem, até que Benê apareceu:
- Déo, fica aqui comigo que hoje a mulherada está muito atacada! Eu te protejo!
- Ah é? (como se eu não soubesse que nós mulheres somos assim, "atacadas", independente se o interesse é mulher ou homem)
- Então Déo, sente-se aqui comigo, vamos bater papo. Faz tempo que a gente não conversa ne?

(A gente nunca conversava, nunca, nunca, aliás eu só sabia das coisas dela pela Madá e mesmo assim não era nada demais)

- Pois é, como vai seu trabalho?
- Risos e mais risos, ah Déo, não vamos falar sobre coisas sérias no momento! É sábado dia de festa...você tem que relaxar!!!!!!
- Onde fica o banheiro? (pra que eu fui perguntar isto? Senti um sorriso meio sinistro saindo dela)
- Vem comigo gata, eu te levo.

O banheiro era obviamente unisex, até ai tudo bem, mas ela queria entrar comigo no banheiro, pois como ela mesma falou "pra quem te viu trocando de roupa, dividir este momento não é nada". Ai eu inventei que estava com dor de barriga e a tequila não tinha feito bem e inventei mais trocentas outras coisas que ela acatou e ficou me esperando do lado de fora...

Depois de um tempo de relaxamento e concentração sai do banheiro.
- Vem Déo, preciso te confessar uma coisa!
A dor de barriga voltou, mas não pude voltar para o banheiro.
- Déo, você sabe qual é a minha fama né?
- Nããããããooo...qual é?
- É que eu só gosto de ficar com mulheres que não gostam de mulheres. A Madá é exemplo disto. Ela gostava de homem, depois que ficou comigo começou a gostar de mulher. E você é a típica mulher que me interessa!

Vocês devem estar se perguntando: "tá bom Déo, você quer que a gente que te lê sempre acredite nesta história" pois eu garanto que isto aconteceu. E sim, foi comigo!

- Benê respeito total a sua escolha, tenho amigos gays, tenho a Madá que não tá nem lá e nem cá, mas eu realmente não gosto de mulher. E a Madá desde sempre é apaixonada por você, ela começou a querer ficar com mulher por sua causa...(droga, droga, droga, não era para contar) mas é que...
- A Madá???? Apaixonada por mim?
- Não! Quer dizer, sim, mas assim ela comentou por cima sobre isto e agora acho que ela já superou isto né? Já faz tempo e...
- Cadê a Madá? Déo, vamos achar a Madá! Preciso falar com ela urgente!
- Benê preciso ir embora porque a dor de barriga piorou...
- E eu preciso achar a Madá...
- Eu acho que é aquela ali em cima se segurando num poste...será que ela tá passando mal?
- Gargalhadas!!!!!!! Déo não é poste, é uma gaiola e sim é ela mesmo.

Déo vai embora, você não está legal mesmo! Não sabe nem identificar uma gaiola!

Salva pela gaiola!!!!! pensei
- Tchau Benê, boa sorte ai hein?

Uffa, consegui sair de lá com mais algumas passadas de mãos e alguns bilhetinhos no bolso (que eu não percebi colocarem)
Sabem que as mulheres são muito mais delicadas nos comentários?

Os bilhetinhos são fofos, mas mesmo assim não consegui me identificar nem com o Benê e nem com a Benê, mas fiz a Madá e a Benê namorarem por longos anos!!!

12 de ago de 2010

Déo e seus Lábios Compartidos

Estava pensando como seria uma das minhas histórias no modo mexicano de ser...lembrei de uma história que me aconteceu há alguns anos atrás...

Eu, Déo, nesta história sou Mercedes.
Eu estava me preparando para uma saidinha básica num dia qualquer.
Cecília Gabriela minha fiel escudeira (entende-se por Patty) e eu fomos no local de sempre a procura de uma boa música, boa bebida etc...

Como de costume pegamos uma mesa estratégica para ver a banda e as pessoas, bebemos nossos birinights (acho que não existe birinights no México né?) refazendo bebemos nossas tequilas, dançamos, ouvimos a banda, etc...
Mas aquele dia não era o mesmo para Mercedes, ou seja, para mim.
Não, não mesmo!

De longe avistou sua rival, Maria do Bairro!

Maria do Bairro estava com seus amigos: Custódio Augusto, Fabiano Cuervo e Ricarda Eduarda! Eles estavam dançando distraidamente.
Maria do Bairro na verdade não era sua rival, apenas que elas duas haviam se apaixonado pelo mesmo "hombre"

Depois de algum tempo aparece Juan Pablo, o "hombre"! Juan Pablo chega sem ver nenhuma das duas. Fica em seu canto bebendo algum drink caliente e de hombre do México (que não sei dizer)

Mercedes não sabe como reagir e sua amiga Cecília Gabriela pede calma!
Juan Pablo vai se aproximando de Maria do Bairro, eles começam uma conversa, Mercedes fica mais tensa ainda e Patty, ou melhor, Cecília Gabriela pede MAIS CALMAAA!!!!!

Depois da conversa com Maria do Bairro que sai aos prantos, Mercedes decide conversar com ele.
- Olá Juan Pablo, tudo bom?
- Vovovovocê aqui?
- Ssisisisisisimmmm eu aqui (meu coração estava na boca)
- Que surpresa!
- Vim ouvir minha rumba Juan Pablo!
- Adorei revê-la Mercedes! Saudades!
- Eu também Juan Pablo!

Mercedes sai como se nada tivesse acontecido tentando ignorar o fato de estar completamente apaixonada por Juan Pablo.
Maria do Bairro não tira os olhos dela!

Como se não bastasse esta situação toda, aparece Alberto Estrela, uma antiga paixão de Mercedes. Alberto Estrela bem mais despojado já chega abraçando-a!

- Que saudadeeeeeeeeeeeeeee Mercedes, quanto tempo! Você sumiu, mas continua linda!
- Alberto Estrela, por favor! Não tente me conquistar. Sua chance já foi!
- Mas Mercedes! Eu te amo!
- Tarde demais Alberto Estrela, meu coração já tem dono!

Alberto Estrela sai como um cão sem dono, ou melhor, como um pierro sem dono.

E Mercedes percebe que Juan Pablo não tira os olhos dela.
Mercedes diante desta situação, não sabendo o que fazer olha para Cecília Gabriela que está aos beijos e abraçados com Otávio Augusto e decide sentar em sua mesa.

Maria do Bairro a esta altura já tinha ido embora.

De um lado Juan Pablo com seu drink, do outro Alberto Estrela que não tirava seus olhos sobre Mercedes.

Mercedes decide então aproveitar a situação...sai de sua mesa e vai para a outra área do local onde nenhum dos dois estão por perto...mas Juan Pablo segue Mercedes que não resiste e beija Juan Pablo.
Passado algum tempo ela diz que vai embora...

No caminho de saída fala para Alberto Estrela que está de partida e vai embora.

Na porta de seu carro Alberto Estrela segura a maçaneta da porta do carro e lhe dá um beijo de novela mexicana...

E por fim Juan Pablo e Alberto Estrela nunca mais aparecem em sua vida!