28 de dez de 2011

Elvis não morreu!! Ta vivinho!!!

Você tem uma história curiosa, engraçada, cabeluda?
A sessão "Conta pra mim Déo" é feita por você.
Mande sua história no caiforadeo@gmail.com que eu conto...


Esta história que eu vou contar é da Deodorense "Manu"
Olá Deo me chamo Manu adoro o blog e quero contar uma das histórias da minha vida...

Esta história aconteceu quando eu tinha 17 anos, ainda moleca, ainda cheia de inocências. 
Naquela época eu era enlouquecida para arrumar um namorado, tá tudo bem, não só naquela época, até hoje eu sou enlouquecida para arrumar um, só unzinho! rs
E minha estratégia era sair com os meus amigos que jogavam vôlei na cidade. Ia com eles aos jogos, eu pensava assim: se eles são bonitões e sempre tem meninas no pé, se eu sair com eles além das meninas morrerem de raiva os amigos dele vão me ver como "a amiga" e não "a fã". 
Naquele dia quando cheguei com eles na quadra já tinham outros caras lá esperando por eles. 
Meu sorriso estava fazendo laço e enquanto eu dava passos ao encontro dos amigos dos meus amigos, um rapaz veio em disparada na minha direção. 
O Fernando, meu amigo disse: 
" - Manu, duvido que você tenha coragem de ir ao encontro dele!!!"
Desafio feito é desafio aceito, fui ao encontro do rapaz.
Eu corria loucamente com os braços abertos em direção a ele, tipo aquelas imagens de filme que o casal está um em cada ponta correndo em direção ao outro a beira mar. O fato é que nos abraçamos e rolamos no chão.

Depois daquele momento constrangedor e engraçado me levantei chorando de rir, sai e fui assistir o jogo.
Acabou o jogo, fui para minha casa e depois de uma meia hora toca a campanhia, meu irmão grita:
" - Manuuuuuuuuuuuuu é o Elvis!"
- Ele não morreu?
Digo (meu irmão) " - Aquele já, mas este aqui tá bem vivinho!"
Adivinha quem era Déo?
Era o cara do abraço efusivo.
Ele falou que curtiu demais o abraço e que queria um beijo, eu virei e falei:
- Se você quer um beijo, volte aqui amanhã... - e entrei em casa.
Obviamente que eu brinquei com a situação de novo e no outro dia eu tinha uma festa para ir...ou seja, nunca mais ia ver o Elvis e ele ia morrer para mim de verdade!
No dia seguinte eu estava toda arrumada, linda, saindo para festa quando quem aparece no meu portão?
Elvis!! E me cobrando o tal beijo.
Eu dei risada e tasquei um selinho nele, como ele estava na minha porta me acompanhou até a festa e disse que não iria me deixar sozinha. Eu já cansada da situação beijei ele logo, já pensando - pronto agora já dei o beijo e ele vai me dar sossego!
E não é que ele ficou ao meu lado até o fim da festa???
Ele morava em outra cidade e vinha me ver todos os dias sempre no mesmo horário e foi vindo, vindo, vindo, e quando vi ele já estava na sala de casa conversando com meus pais!!!!! Conheceu minha família inteira, trazia todos os dias chocolates e fazia a entrega para cada membro da família pessoalmente. 
No final eu também conheci a família dele e namoramos por um ano, mas depois de um tempo, fomos nos desencontrando e nos víamos cada vez menos... 
Em comum acordo decidimos por fim no relacionamento. 
Eu o encontrei alguns anos mais tarde, mas isso eu conto numa próxima vez.


Manu, adoreiiiii sua história: inusitada, divertida, atrevida, interessante e com final feliz!!!!! 
Ahhh quero saber como foi este reencontro, senti um clima no ar!!!
E você precisava ter agradecido seu amigo Fernando né? Graças a ele você encontrou aquilo que tanto procurava...você não quer mandar seu amigo Fernando aqui? 
Vai que ele me fala assim:
" - Duvido que você beije o primeiro cara que aparecer aqui!" bem na Av Paulista!!!! 
Já pensou?
Bjs da Déo!

21 de dez de 2011

Ho ho ho pra Déo

Vou contar uma história que me aconteceu no final do ano passado.

Todo novembro eu já fico com um sentimento de que as pessoas estão andando e eu to aqui parada sem fazer nada, vendo a vida passar e o pior: sozinha!!! Não sei se é só comigo que isto acontece.

A partir deste cenário vocês já imaginam o meu "nível" de carência ao final do ano...foi ai que eu conheci um homem pela internet rs

Sim, mas desta vez foi diferente!

Minha amiga que não gosta de internet conheceu este tal site e falou que era muito legal e que se fazia amizade rapidamente. Eu achei que era tipo facebook, orkut estas coisas...e como ela detesta internet pensei - deve ser tranquilo.

Eu mal me cadastrei e tinha muita gente querendo falar comigo.
O lance era: você se cadastrava e logo já pulavam pop ups para conversa...eu cometi algumas gafes...como escrever - Amiga, que meleca de site é este?? Mal me cadastrei e trocentas curvas de rio apareceram para fazer amizade - na capa do meu perfil achando que estava mandando mensagem apenas para a minha amiga Gaby.

No meio disto apareceu uma mensagem de um cara muito, mas muuuuuuuuuuuuuuito meu número. Era uma mensagem particular para mim.
Resolvi responder, mas nossos horários não batiam. Eu mandava mensagem a noite, ele mandava de dia mas só no outro dia...então nossa conversa era resumida em "oi"

Num sábado bem tranquilo conseguimos bater papo online e a conversa fluiu muito bem até ele me dizer:

"- Você sabe que eu não moro no Brasil ne? Estou morando na França!"


- Não sabia não...pausa para pensar - só podia morar fora do Brasil, pois para ser educado, gentil, atencioso entre outras coisas só morando fora. E acabei desencanando. Não era uma possibilidade de belisco, afinal, Franca é aqui perto, mas França não.
De lá, passamos para mensagens instantâneas e falávamos quase todos os dias. Quando não nos encontrávamos deixávamos mensagens offlines um para o outro.

E era sempre um "oi meu amor, que saudades, pena que não te encontrei online, já estou indo dormir, que você tenha uma manhã maravilhosa e um dia perfeito. Vou sentir saudades suas, com carinho Diego"
Conversávamos sobre tudo e sempre que ele podia, vinha o assunto de que quando ele voltasse (previsão outubro de 2011) ele faria questão de me conhecer, porque eu era uma pessoa maravilhosa, que ele não era de ficar na net conversando com todo mundo, mas que eu era diferente...

Eu estava encantada porque não eram papos de dois minutos, eram horas conversando. Ia dormir as 5 da manhã para acordar as 7 para ir trabalhar, conversávamos com a webcam ligada então eu sabia que ele existia, ele mostrava as pessoas que moravam com ele na república, passava fotos da família para mim, me ligava no celular, eu conversava com os amigos dele lá, ou seja, baita clima de romance.

Como era final de ano, eu tive a ilustre ideia de trocarmos presentes. Ele topou. Nossos presentes chegaram já em 2011, ele me deu: ursinhos de pelúcia, um cartão com dizeres lindos, um colar, uma pulseira, um brinco e um perfume.

Eu dei uma carta, um boné, um perfume também, um álbum para ele colocar suas fotos e me trazer quando voltasse e um chaveiro.

Foi "fofo" (porque adoramos dizer "fofo" quando estamos toda encantada por alguém? acho tão bobo...mas enfim, eu tava na época "enfofada" com ele), era Di pra la, meu amor pra ca, lindo pra lá, amore pra cá e foi indo...

A situação chegou ao ponto dele me perguntar o que eu precisava na minha casa para deixar tudo pronto quando ele voltasse, dando a entender que quando ele voltasse a casa dele seria a minha. E eu não tinha nem dúvidas que assim seria. Para mim estava tudo tão claro!! Tão lindo!! Tão "...tananananam..." 

Já tinha arrumado alguns espaços no armário para ele, vendo que lado da cama de casal que eu ia me acostumar melhor para dormir...enfim, coisas de casal.

Inesperadamente ele sumiu por meses! Uns quatro ou cinco.

No começo eu fiquei preocupada cheguei a ligar para a França desesperada achando que ele tinha morrido, ou sido levado por algum "Ratatouille" gigante que o devorou em 3 minutos. Sei lá ne? A vida é assim: hoje estamos vivos amanhã talvez!

Na ligação ele foi bem seco, me tratou meio como "uma desconhecida" e por e-mail não respondia mais nada...eu fui achando que tinha algo com ele: depressão, tristeza, qualquer coisa que explicasse a diferença de comportamento.

A gente adora justificar falhas alheias de forma que a pessoa seja um tadinho ao invés de um FDP!

Passado cinco meses ele aparece como se nada tivesse acontecido, mas me chamando agora de Deodora. Não era mais meu amor, minha querida, linda, amore, flor ou Deozinha.

A desculpa era que ele ficou doente, não tinha ninguém da família lá e ele até pensou voltar, mas a forma como falava comigo, não era a mesma, não mesmo.

As "visitas" para mim ficaram cada vez mais esporádicas e eu que ficava contando os meses para a volta dele, fui me acostumando com sua ausência, mas sempre pensando...faltam 2 meses, falta 1 mês, é este mês!!!!!!!!!
 
O danado do mês de outubro apareceu eu fiquei ansiosa, mas não tanto como achei que fosse ficar. Ele voltou, mas não me avisou que estava aqui (soube através de fontes virtuais rs), passou um mês e eu não recebi nem ao menos um e-mail dele.

Numa segunda-feira, pós feriado uma mensagem instantânea aparece:
"Diego diz: Oi, tudo bem como você está?"
Eu to de pijama ainda...preguiça
"Diego diz: Pijama?"
É, estou esperando um amigo meu aparecer em casa, mas como ele demorou muito coloquei pijama!
"Diego diz: ah ta então entrei pra dizer que faz quase dois meses que eu voltei. Estou bem e feliz aqui, mas ainda sinto saudades da França claro. 

Quero te mandar meu currículo, sabe como é ne? Voltar depois de um tempo a 
gente acaba ficando sem muitos contatos e como eu sei que você tem muitos, vou te mandar, tá?"

Nossa! Já voltou passou rápido não? Nem percebi que já fazia um ano e pouco que nos conhecíamos! Manda ai o currículo e eu divulgo. Pode ser naquele portal que a gente se conheceu? Brincadeira!

" Diego diz: risos...esta foi boa...bom você está ocupada ai e eu vou desligar para não te atrapalhar. Um beijo. Tchau Deodora"

Observações:
1 - não existe saída melhor do que dizer que o outro está ocupado e por conta disto você vai ter que sair da net;
2 - "Deodora" quem me chama é somente a minha mãe e é sempre quando está bem brava comigo.

Resultado - ele mandou o currículo, nunca mais apareceu, arrumou emprego, está namorando a ex namorada de antes da viagem dele para a França e ainda está cadastrado no curvasderio.com 

Ah, para a informação de vocês a Gaby, minha amiga está namorando o Guto que ela conheceu lá em dois dias de uso do site ano que vem eles se casam!

Cai Fora Deodora!!!!!!

14 de dez de 2011

Cai fora Theodoro!!

Você tem uma história curiosa, engraçada, cabeluda?
A sessão "Conta pra mim Déo" é feita por você.
Mande sua história no caiforadeo@gmail.com que eu conto...

Esta história que eu vou contar é do Deodorense "Theodoro"

Sempre acompanho seu blog, sigo você no twitter e curto sua página no facebook! As histórias que você conta são excelentes e da mesma forma que acontece situações, digamos estranhas, com você, também existem histórias meio bizarras no universo masculino. E pra ajudar me chamo Theodoro, mais conhecido como Théo.

E como estamos na era da modernidade, onde o lance da paquera “real” está cada vez mais ficando démodé, este que lhe escreve também já se cadastrou em vários sites de relacionamentos, tipo as histórias como esta aqui que você já contou! 
Eu até cheguei a conhecer pessoas maneiras, mas que pela distância não foi possível levar nada adiante! 
A historinha a seguir é para mostrar que seres malucos existem em ambos os sexos. 
Em um dos primeiros sites que me cadastrei foi mais ou menos assim: no começo você bisbitolha o perfil de um monte de garotas que você “desenha” em seu perfil e vai colocando um filtro (imaginário). 
Envia algumas mensagens para o perfil de algumas delas, recebe algumas respostas, outras te ignoram totalmente, alguns tocos e eis que uma pessoa que fazia bem o meu tipo responde minha mensagem. E as fotos eram animadoras:  loira, magra, cabelos cumpridos, olhos claros...meu número!!!!
Começamos a trocar mensagens privadas, uma foto aqui, outra acolá e finalmente as coisas saíram do “Nick” e fomos para o msn.  Ela tinha vinte e sete anos (eu tinha pouco mais de 34 na época), era publicitária, tinha carro próprio, era dona da agência que trabalhava mas dizia que morava com a mãe. Até ai nada demais, pois eu mesmo morei com meus pais até pouco antes de meus trinta anos.
Um dia, depois de trabalhar, corro para a casa, pois já tinha meu “compromisso”: acessar o msn e conversar com... Bom, vamos chamá-la com o nome fictício de Valéria! Mais uma vez o papo fluía legal, vários assuntos em comum, afinidades mil quando entramos no papo de casamento.
Não querida Déo, não ia pedir ela em casamento, pois Valéria era apenas um Avatar em meu mundo de Matrix (putz! misturei os filmes!). 
E eu já fui casado e havia me separado há pouco mais de um ano. 
Ai veio a seguinte conversa:

Valéria: " - Ah, você já foi casado não é?"
Eu - É sim Valéria! Infelizmente acabou e... - ela me interrompe
Valéria " - mas foi no religioso tudo direitinho ou só juntaram as coisas?"
Eu - Foi tudo como manda o figurino... Religioso, festa e... - mais uma vez me interrompe!
Valéria " - mas então você não poderia casar novamente em Igreja Apostólica Romana???????"
Eu - Sim, mas... - pausa - você sabe o que é interromper pelo msn, Déo?? é chamar a atenção com aquele treco que faz barulho e que te assusta ainda mais quando você está com o fone na orelha. E para convencer que está te interrompendo escreve sem parar com perguntas...enfim, ela interrompe novamente
Valéria "- Então se a gente der certo você casaria comigo na Igreja do Santo Cristo do Último Degrau antes do Céu?" prefiro deixar o nome da Igreja fictício também, ok?
Eu - Err... mas, você n...
Valéria "- É que minha mãe é muito doente e eu sou sua única filha e ela disse que não quer morrer antes de ver a filha casar na Igreja. E como você foi casado, podemos casar nesta igreja, o que você acha?"
Eu - ...    legenda - mudo no msn é "..." (reticenças)
Valéria "- E como meu pai nos deixou há muito tempo, eu poderia entrar com seu pai...nossa, ia ser lindo se ele entrasse comigo e assim minha mãe poderia ficar lá na frente no altar com a sua mãe, aliás qual o nome da sua mãe? Ela tem msn? Queria mostrar a foto dela para a minha mãe já que minha mãe não tem msn e ..."
Theodoro fica offline

Fala uma coisa Déo: como uma pessoa que nem sabe ainda com quem está conversando (nós apenas nos falávamos por msn e nunca tínhamos nos visto!) vai falando assim de casamento, que queria entrar com meu pai na igreja e que nossas mães seriam amigas...bom, apertei a tecla “Del” sobre o nome dela e optei por bloquear também. 
Afinal, casar com uma doida que faz isto via MSN sem saber se eu era um “serial killer”, seria mais maluquice ainda, não acha?

Querido Théo, com certeza é minha vez de dizer "Cai Fora Theodoro" (se seu nome não é este eu não sei, mas que ele foi fantástico, podemos fazer inclusive dupla sertaneja! Déo e Théo!)
Eu realmente me assustei com esta mulher, mas acredito que ela devia estar num momento aflitivo de vida querendo agradar a mãe atendendo o último pedido a todo custo e sendo assim não analisou o tamanho do pedido a um estranho, mas mesmo assim se ela tivesse pensado antes de escrever, garanto que vocês poderiam ter um belisco e tanto!!!!!!

Adorei sua história...apareça mais vezes!
Bjs da Déo!

7 de dez de 2011

A grama do vizinho neste caso é minha!
















 
Normalmente numa balada quando você chega sozinha e tem fila, ou você faz amizade com os caras da sua frente ou se eles forem elas, paira um silêncio no ar...

A mulherada tem o hábito de conferir o modelito de sua rival e fazer apenas pequenos comentários nada prejudiciais:
" - aiiiii quem é esta mulher com esta calça branca em plena balada? Que sem noção. Calça branca não se usa a menos que você seja Gisele Bündchen, o que não é o caso."
" - você viu o tamanho da micro saia que aquela loira (loiras sempre são o alvo mais atingido) está? Pra aparecer aqui assim, é melhor nem usar saia..."

Porém, naquele dia foi diferente...
Eu cheguei primeiro que meu belisco (era um ex ficante com possibilidade de voltar a ser ficante dependendo do que rolasse naquela noite).
Logo depois que eu cheguei ele me liga dizendo que estava a caminho.

Em questão de minutos a fila aumentou consideravelmente.
Olhei para trás e tinha um casal aos beijos, olhei para frente e tinham duas meninas conversando e rindo bem animadas. Uma delas olhou pra mim e deu um sorriso do tipo "chega pra ca", comentei:
- Meninas, vão chegar mais três pessoas para ficar na fila comigo, será que tem algum problema?
A menina mais simpática, risonha e super pronta disse:
- " Eu se fosse você avisava o casal apaixonado de trás que vai chegar seu namorado e mais algumas pessoas "

Não falei nada a respeito do "meu namorado", mas avisei ao casal que nem me ouviu direito...


Mais uns quinze minutos e ele aparece com mais dois amigos.
- " Oi Déo, tudo bom?"
Me deu um beijo e achou que as meninas eram minhas amigas também e começou a conversar com elas...

A fila estava demorada então deu tempo de conversarmos muito: eu, ele, seus dois amigos e nossas duas novas amigas, mas confesso que uma delas era a que mais me incomodava.
Sabe aquelas olhadas de lado e uma sensação de clima pairando no ar que toda mulher percebe? Pois é! Sorrisos demais, muuuuuuuuita simpatia comigo e com ele, mas quando entrássemos cada um para o seu lado e ela que fosse buscar seu belisco perfeito.

Entramos e um alívio imediato se apoderou de mim.
Demos umas voltas, encontramos um cantinho no bar e lá ficamos.
Depois de uns cinco minutos ela aparece e diz:
- " Ai amiga, posso ficar por aqui? Tá chato pra lá" e apontou para a pista e para vários caras gatos que estavam por lá
- Fica a vontade, Ketlyn! (era o nome dela)
- " Obrigada amiga, mas deixa eu te perguntar uma coisa, tá rolando alguma coisa entre vocês? "
- Vocês quem?
- "Ah você e o Bruno...senti um clima ai entre vocês, é namoro? é o que?"

Déo, a possessiva entra em ação, pera lá, a pessoa nem é minha "amiga" e agora quer saber o que eu tenho com o Bruno?
- Ah, um clima? Então tá na cara que a gente tem um lance né? Eu não queria comentar, queria deixar as coisas rolarem de boa, mas a gente tem um lance sim.
- " Que tipo de lance?"
Pode falar palavrão neste texto? Mais do que um? Pode? Pode? Digam que sim por favor!!!!!!
- Ketlyn, desencana, tem um cara gato que não para de te olhar...
- " Ah, mas o Bruno é bem mais a minha cara!"

E simplesmente saiu em direção a ele...
Eu fiquei passada.

Comecei a conversar com o amigo dele que até então só falava, "cool" (o sujeito era gringo) e ela caída em cima do Bruno. Como se não bastasse esta situação, a Patty, amiga dela veio me pedir desculpas pela atitude.
- " Déo eu já vi que ele ta la com ela olhando pra ca, já falei para ela deixar ele pra la que a história ainda está rolando entre vocês, mas a Ketlyn quando encasqueta com alguém é fogo. Ela teimou que quer ele.
- Beleza Patty, vou dar uma volta.

Desci e fui para a pista dançar, relaxar e fingir que aquilo não estava acontecendo comigo! mas estava!

Nesta enrolação toda, ele veio atrás de mim ver onde eu estava e fazendo o que e eu fingi que nada acontecia

Quando voltamos rindo e batendo papo elas já estavam na fila.
Yessss, ganhei!

Vieram para se despedir da gente e eu toda contente, até a Patty falar no meu ouvido:
- " Tentei de tudo, mas não teve jeito, ela vai embora com ele "
Noooooooooooooo, perdi!
Patty foi embora, Bruno veio conversar comigo já trançando as pernas e Ketlyn grudada no fofo.
John e Jordan (não são jogadores de basketball) começaram a tagarelar e soltavam uns "shit´s" e eu só falando "cool, cool, cool, cooooooooool" num sotaque brasileiro, se é que vocês me entendem.

Eu, diante da cena olhei para ele, olhei para ela dei um beijinho em cada um e sumi no meio da muvuca.
Logo menos, ele aparece sem ela e fala se eu quero conversar, ou melhor, se eu quero "co-con-connnverrrrrrrsarrrr com ele" - com bêbado eu não discuto e ponto.
Tudo bem, não tínhamos nada mais, mas não tínhamos nada a menos, ai aparece uma mulher com nome de lingerie e ele vai levá-la pra casa?
Cai Fora Deodora!
Disse tchau e fui embora.

Dia seguinte meu celular toca - Bruno chamando!
Falou sobre nosso passado, começamos a lavar roupa suja que eu nem sabia que tinha mancha e cheguei a conclusão de que nós dois não sabíamos nos comunicar.
Eu não entendia que ele me queria e ele não achava que eu estivesse a fim dele, os dois sem saber e perguntar sobre nada deixaram pra lá. Resolveram sair na noite anterior e deu no que deu.
Ele confirmou ter dado carona para ela e eu admiti que não gostei
Ele disse que esperava por isto em outro momento e eu falei que não tinha como adivinhar
Ele disse - " a gente se vê por ai" eu falei - ta bom!

Meses depois a gente se tromba na mesma balada, e ele de mãos dadas com quem?
Enganei vocês, ele não estava de mãos dadas com ninguém não, continua solteiro e ainda não entende o que eu digo...mas naquele dia fizemos as pazes...