28 de jan de 2014

Confie na sua intuição, mas na primeira!!

Esta semana contaremos mais uma história de amargá! 
E foi assim que aprendi com o facebook
Era aniversário de 100 anos da minha vozinha. Eu moro em BH, porém minha família quase que completa reside no interior por isso a festa foi lá.

No meio da festa uma prima, que também morava em BH, me disse que um rapaz estava interessado em mim. Quando o vi relutei, pois ele aparentava ter uns 17 anos. Eu já nos 30 não me atreveria. Não posso negar: era gato. Cada mulher tem suas preferências, mas assim que ele chegou não pude deixar de notar aquele corpo escultural resultado de muitas horas de malhação. Cada idade da vida tem sua vantagem e estes jovens tem uma energia de invejar.

Bom mas voltando à festa... ele foi se aproximando e insistindo e até conversou com o meu pai dizendo que se interessava por mim. Meu pai, mesmo sendo um homem sério, de cara de poucos amigos respondeu dizendo: “bom mesmo, ela está precisando!”. Já é triste quando toda a família se une pra te dar um empurrãozinho, mas até o pai da gente já é sacanagem.

Quando então nos aproximamos para conversar descobri com alívio que ele tinha 21 anos (ufa! Como se fizesse alguma diferença). Perguntei então se ele tinha namorada e ele disse que não. Perguntei se ele tinha face e ele disse que sim e pediu o meu. Então eu dei o meu perfil no face e ele o dele, porém não o consegui encontrar no momento.

Rolou uns beijos, participamos de um happy hour na casa de uma prima e voltamos para BH na companhia de meus primos. Ele era um fofo, um lord, um príncipe. Fiquei encantada. Ele pegou meu telefone e óbvio que aguardei ansiosamente sua ligação que não aconteceu. Aguardei dias e depois me conformei.

Mês depois, o príncipe apareceu. Disse que havia viajado de férias. Que tinha perdido o telefone. Claro que desconfiei da história, mas ele soube me convencer aos poucos. Começamos a ficar e o codinome príncipe lhe cabia bem. Ainda me incomodava a idade, mas aos poucos, com os conselhos dos amigos fui me acostumando. Ele era estudante de odontologia e tinha horários loucos. Além disso, trabalhava nos finais de semana. Isso me gerava certa desconfiança.

Após algumas semanas juntos uma prima me convidou para um aniversário. Eu o convidei para ir comigo. E foi quando tudo aconteceu...

No mesmo dia à noite recebi uma mensagem que dizia: “precisamos conversar!”. Esta frase merece uma pausa. Talvez seja a mensagem mais temida do mundo dos relacionamentos. Homens poderiam variar o repertório. Que tal: “Vamos sair pra conversar pra que eu te dê um carinhoso pé na bunda?” Ou, “Querida, não dá mais. Que tal evitar o stress e terminar por aqui? Eu não te ligo você não me liga e ficamos bem”. Ou ainda, “Não te quero mais, vaza!”. Fato é que nenhuma dessas expressões são agradáveis de ouvir, mas quando se recebe um “precisamos conversar” o efeito é o mesmo na cabeça e coração da gente.

Já à noite ele me ligou e disse que não tinha coragem de dizer. Após insistir, ele me disse que tinha se acertado com a ex-namorada. Foi o fim de tudo. Mas não o fim da história....

Fiquei derrotada dias. E sabe como é né? A gente tem a mania de querer saber o que a outra tem que você não tem. O que te faltava que o fez sentir falta do relacionamento antigo... E quem responde estas perguntas??? Facebook! Comecei a olhar algumas fotos dele com meus primos e alguns comentários de uma garota me chamaram atenção. Quando entrei no face dela: surpresa!!! Uma foto enorme de capa onde os dois se beijam em cima de uma moto. Ao descer a linha do tempo eles começaram a namorar em novembro do ano anterior. Era agosto. Percebi que não tinha o nome dele marcado no relacionamento. Entrei com outro perfil e estava lá o nome marcado.
Aí descobri toda a história igual aqueles filmes em que a história faz sentido no final. O dia que o conheci na festa ele pediu meu facebook lembram? Naquele exato momento ele me bloqueou. Por isso eu nunca o encontrei, nunca descobri que ele era comprometido. Ele era um profissional. Quando o convidei para sair estaríamos na mesma roda de amigos da namorada e aí então ele resolveu a situação e deu um fim na amante. Fui a outra e nem sabia.

Aprendi neste dia a ter um perfil adicional e a fuçar absolutamente tudo no facebook, google e afins para evitar roubadas como esta! 
Magali, uau que babado! 
Essa foi boa, mas o melhor que você superou, tanto é que nos contou esta história! 

7 de jan de 2014

Nasci para ser de um homem só!

É sério!

Fui criada por pais que se conheceram na escola e estão juntos até hoje (e ainda se chamam de amor - coisa mais linda)
Tenho irmãos que respeitam seus respectivos maridos e esposas...aliás, se casaram cedo também. Todos os primos e primas casados(as), amigos praticamente 100% juntados e por ai vai...

Acho que por eu ter todo este currículo ao meu redor imaginei que comigo seria assim: teria um paquera e ele pediria permissão aos meus pais para namorar comigo, depois ele me daria uma aliança de compromisso (sempre achei o máximo). Depois de uns dois ou três anos ficaríamos noivos com uma comemoração simples porém significativa e por fim ele me pediria em casamento na casa de praia que alugamos para nossos pais e parentes passarem a virada do ano! Óooooo Déo também é romântica! Que luxo! E tudo isso aconteceria até meus 25 anos!!!!!! 


O tempo foi passando e nenhum paquera me pediu em namoro muito menos me deu uma aliança de compromisso para fazer tipo e causar invejinha nas pseudo-amigas. 

Meu primeiro namorado foi a coisa mais engraçada que eu já pude ter. Eu não queria namorar ele e quando vi estávamos nos vendo todos os dias. Ai um dia eu acordei e falei: - Não quero ser namorada do Vagner! Vou terminar". Terminei. Ele chorou e me procurou meses. Eu chorei um dia porque considerava ele um amigo querido. Só.

Acho que foi ai que os deuses do amor (porque eu acredito que são vários para dar conta de tantos corações complicados e mal amados no mundo) me castigaram... 

" - Quer dizer então que ela não quis aquele cara que era absolutamente louco por ela? Ok... ela vai ver só"

De lá pra cá além de não ser pedida em namoro eu descobria que tinha namorado quando o cara sumia. 

" - Déo nosso namoro não deu certo, por isso me afastei!" 
- Oi? Namoramos?
" - Claro que sim, um namoro moderno, mas agora não dá mais!" 

E ai dá-lhe a Deozinha aqui chorando meses...e o cara sofrendo por 5 minutos.

O jogo mudou. 
Da família sou a única que mora num flat, trabalha por conta, se vira nos 30 (já já quase 40), conhece beliscos das mais diferentes formas e que por incrível que pareça não tem um belisco pra chamar de seu mesmo! 

Às vezes até aparecem uns perdidos por ai, mas com objetivos tão distantes dos meus que a reflexão que chego é que o mundo fez upload de atualizações e eu não vi. De cartas que recebíamos pelos correios hoje trocou por whatsapp! Torpedo virou luxo e ligação se alguém fizer case!!!! Porque este te ama! (a menos que sejam uns doidos de chat, tinder que você passou telefone e ele ligou pra conferir se você não mentiu).

Onde estão os paqueras que iam me pedir para namorar? Será que nenhum daqueles meninos, hoje já homens, não foram criados com uma família feliz e amorosa e que buscam a mulher da vida deles?

Nasci para ser de um homem só. Digo e repito!
Nasci para sentir meu coração batendo mais forte com a presença dele e querer que o tempo pare quando estamos juntos. Nasci para ser só sua, mas tipo assim, agiliza ai ne? Se a gente demorar muito para se encontrar nossos filhos nos chamarão de vovôs!

4 de jan de 2014

Última do ano e primeira a contar do ano...

Esta uma curtinha da nossa personagem quase cadeira cativa do blog...histórias de amargá...


" Déo, esta semana fui ao açougue e pedi um pacote de camarão, o açougueiro disse que não tinha
mas que tinha coração e que eu devia levar coração...


" - Leva meu coração!!!" 

Eu no espírito fim de ano e entendendo a malícia não tive dúvidas!

" - Seu coração já tem dono senhor. Olha essa lasca de aliança no dedo!!!!"

 
E ele ainda disse:

" - Tem dona sim, mas se apertar cabe mais uma!!!!"

Eu posso com isso Déo?