28 de abr de 2014

Por que não eu?

A maioria dos e-mails que eu recebo comenta uma frase que foi usada também na história da Mônica "por que eu não sou a opção de namoro dele?" ou "por que quando ele me conhece não quer relacionamento sério e logo depois arruma uma namorada que é a futura mulher da vida dele?"

Quantas vezes aqui no blog me questionei sobre isto?

Muitas vezes a gente encontra uma pessoa que tem características que nos agradam (e muito), perfil compatível, rosto, resto, pensamentos, energia, cheiro, pegada, jeito, enfim, nosso número certinho e logo depois de termos experimentado a refeição completa ele começa a se afastar?

A grande maioria vai dizer aqui que isto acontece porque as mulheres estão fáceis demais e se uma não quiser tem mais 80 que vão querer. Ou então vão dizer assim: 

" - Quem mandou ser fácil? Homem não gosta de mulher fácil".

Machistas de plantão não quero arrumar confusão por aqui, mas isso para mim é o mesmo que dizer que usar shorts na rua é pedir para ser estuprada! Não é porque eu me interessei efetivamente por uma pessoa e quis estar intimamente com ele que eu posso me considerar uma pessoa fácil. E o que é ser fácil? 

Vou dizer por mim. Vulgarizar sentimentos é ser fácil. Vulgarizar o que o outro sente é ser fácil. Se gabar com os amigos que "aquela ali ou aquele ali tá de quatro por mim" e fazer disto motivo para rir é ser fácil. Desprezar alguém porque é gostoso fazer isto ou ignorar a pessoa porque você já teve o que queria com ela e agora que não quer mais nada e mais cômodo dar desculpas esdrúxulas do que admitir que foi só um belisco e nada mais é ser fácil.

Porque difícil, vamos combinar, é aceitar o outro como ele realmente é. Difícil é conviver com seus defeitos e amar ainda assim. Difícil é respeitar o próximo. Respeitar seus limites, erros, falhas e mesmo assim amar. E não parar na primeira possibilidade de dar errado ou na primeira resposta que não fazia parte do seu formulário imennnnnnso de aceitação para ser seu namorado ou namorada. 

O mundo está com déficit de coragem. Falta pulso firme na meta. Falta vontade de pagar para ver e ver não é só da janelinha do ônibus não, ver é ir lá e conferir. É dar a cara a tapa e testar novas possibilidades de ser feliz.

Fácil é não tentar o difícil por medo. O medo de perder é tanto que as pessoas não tentam nem ganhar!!! É tudo rápido, fácil e superficial. Tudo para ontem sem possibilidade de erros!

Por que não eu? Porque para você esta pessoa está fácil demais e você quer mais, você quer o difícil. Você está disposto(a) a ter aquela pessoa que também quer o melhor para si. Só por isto! Por isso queira o difícil que a vida se tornará bem mais fácil!

21 de abr de 2014

Conta pra mim Déo

Você tem alguma história para contar para mim? O Conta para mim Déo é feita por você. Mande a sua história para caiforadeo@gmail.com que eu conto! 

Hoje a história é da Mônica. Ela está meio desanimada e eu queria saber a opinião de vocês! 

Oi Déo, tenho 31 anos sou professora e tenho uma vida amorosa recheada de pés na bunda, sessões de desprezo e um imenso desespero para mudar essa situação. O tal desespero afugenta os raros candidatos que aparecem e isso me mata por dentro: saber que talvez a culpa seja minha.

Tive 2 namorados: um por volta dos 17 anos (que depois de 6 meses descobri que era casado) e o outro quando tinha 25 anos (durou 2 anos e que terminou por que cobrei sexo dele).

Por questões “didáticas” eu considero minha vida afetiva a partir deste último namoro. Terminou faz 4 anos. Eu morria de medo de chegar aos 2, 3 anos e agora temo que chegue aos 5 anos sozinha, mas se chegar o que eu posso fazer?

Neste período de férias de namorado eu entrei em várias roubadas.
Todos que encontrei e achei que eram os homens da minha vida. O salvador ou o príncipe encantado que iria me tirar da vida de solidão que eu vivo (tenho tendência ao drama tá? rss)

Confesso que nem gosto de lembrar dos tipos, mas creio que todos tinham algo em comum: homens problemáticos que precisavam mais de ajuda que eu.
Tinha o veterinário que era ninfomaníaco e que no segundo encontro queria que eu transasse com ele e mais um homem. Teve o outro veterinário que só quis me beliscar e ao mesmo tempo arrumou uma namorada e eu pirei.

O cara de outra cidade (moro no interior de Minas) que durante 1 mês dizia que eu era uma princesa e blábláblá e de repente sumiu. E pior fiquei com ele por dois meses e ele tinha gostos escatológicos na cama. Sim, não preciso falar mais nada ne?

Em outubro do ano passado um ex ficante de 8 anos atrás resolveu aparecer. Naquela época ficamos por uns 3 meses e eu que sou bem paciente esperei esse tempo todo que ele me chamasse para namorar, mas um belo dia ele disse que estava ficando com uma pessoa e realmente estava e isto durou 8 anos. Quando terminou com ela voltou a me procurar. Ao invés de eu me ligar do passado eu pensei que as coisas poderiam dar certo, chegou ao cúmulo de me dizer que teve que se esforçar para não namorar comigo que gostava de mim... blábláblá, mas foi só pretexto para passar umas noites comigo (e passou) e o pior tinha data certa: sempre às quartas feiras com direito a ida direta no motel para que ninguém visse. Adivinha o que aconteceu? Nesse meio tempo ele começou a namorar. E doeu por que ele sempre quis namorar alguém, mas nunca eu.

Agora a novela da vez é um moço que me envolvi através do Tinder. Tá já sei que isso tinha tudo pra não terminar bem...eu burra e esperançosa além da conta fui dando corda. Quando o moço te diz na terceira conversa que te adora você pode desconfiar: é uma cilada! Veja só a enrascada: ele mora em São Paulo, falava comigo todo o santo dia, eram conversas no Skype que iam até às 2, 3 horas da manhã! Eu comecei a me envolver e comecei a criar expectativa, quando o mancebo viria a Minas me ver eu criei uma obsessão com o feriado da semana santa. Ele não quis vir Déo. Disse que não era o momento, não se sentia à vontade por que eu estava criando expectativa demais e blábláblá. Eu fiquei triste obviamente e triste por que foi a constatação de que ele não estava a fim.

Ah, um detalhe: mesmo quando o “amor estava no ar”, quando estávamos naquele love, ele avisou que ia continuar conversando com outras pessoas no tinder. E eu meio que me submeti a ainda continuar conversando com ele diariamente e nutrindo a esperança que esse sim seria o homem que me faria feliz.

Nessa ultima semana comecei a notar que ele deixava o whatsapp online e não estava falando comigo. Um dia encerrei a conversa e ele continuou lá online e isso já passava da 1 hora da manhã. (deve ter outra no cardápio né).

Falei com ele como de costume e fiquei no vácuo Déo! E eu vi que ele ficou on line umas trocentas vezes... Confesso que estou triste, pois ele estava fazendo parte da minha vida...estava né Déo pelo jeito no cardápio de mulher do Tinder, tinha alguém mais perto...
Essa é minha história previsível, mas é a minha história!
Um beijo Déo!

Monicats! Toda história de desencontros amorosos são feitos de momentos de tensão assim! Você não é a única. Eu também passo por frustrações, tristezas, mas isso não significa que a gente tenha que desistir! Ao contrário, enquanto não encontramos os certos vamos tentando com os errados. Enrosco não!

Não quero te ver desanimada não. Acho o que te falta é motivação para desfocar destes enroscos...sair com as amigas, dar risada, falar besteira, rir de nada, enfim se distrair. Não se deixe abater por beliscos errados. Sorria que os beliscos certos aparecerão! ;)


Bjs da Déo

13 de abr de 2014

A gente sempre sabe!

Conheci um cara: JJ (seu apelido) pela internet.
A princípio ele era um cara interessante, mas sem muito mais do que isto para dizer. Era simpático e ponto. Nada demais.

Durante uma semana e meia nos falávamos praticamente todos os dias, mas nunca com tom xaveco ou pegação. E o mais interessante de tudo: gostávamos praticamente das mesmas coisas, tínhamos situações de vida parecidas, blábláblá. 

A partir dai o cara simpático já era o futuro pai dos meus filhos (risos)! Eu já estava completamente afim dele. E quem acompanha minhas histórias sabe que eu não sou de ficar afim assim de bate pronto. E nem tímida. Logo de cara deixo claro o que quero, mas curiosamente desta vez eu não conseguia demonstrar nada. Absolutamente nada. 

Depois desta uma semana e meia ele quase não mandava mais mensagem ou puxava assunto. No muito me respondia algo quando eu mandava algo (raras vezes também). 

Vamos lá: se você está tendo uma frequencia nas conversas com um belisco e do nada ele(a) muda de comportamento tem coisa na história, certo? mas como a gente é brasileiro e brasileira e não desiste nunca o que a gente faz? Desculpa o belisco da vez " - ela é muito ocupada no trabalho dela", " - ele está fazendo hora extra no serviço", " - ela não usa muito o celular", "ele não pode ficar distraído com internet e essas coisas no trabalho" e vamos levando a história como se nada tivesse acontecido...

O resumo foi que quase não nos falávamos mais até que um belo dia uma amiga estava em casa e sabendo da história falou:

" - Déo, dá este celular ai que quem vai cuidar desta história sou eu e do meu jeito. "

Considerando a minha total falta de reação em relação a ele passei o celular para ela e ela marcou um encontro com ele, claro, em meu nome!
Eu que sou totalmente descolada fiquei da cor de um pimentão, mas ele topou! Era a primeira vez que íamos nos encontrar...tira todas as roupas do armário, coloca da primeira opção até a vigésima para ficar com a primeira mesmo. 

Assim que eu o vi lá longe do outro lado da rua meu coração que estava acelerado entrou para a bateria da escola de samba e disparou descompassadamente. Ao vê-lo tive certeza que estava diante do belisco com maior possibilidade promoção em toda a minha vida. Divertido, simpático, educado, com um olhar misterioso, lindo, sabe ouvir e novamente confirmo: é muito parecido comigo!!! 

O fato é que não rolou nada: nem beijo, nem abraço, nem uma indireta no ar, uma próxima saída, nada, nada, nada...mas é claro que eu vi possibilidades no ar. Pelo fato de ter entrado naquele bar como uma parede branca e saído do mesmo modo achei digno dizer a ele no dia seguinte o quanto que eu tinha adorado o nosso encontro. Sei lá o que aconteceu com o áudio do whatsapp, mas ele não se manifestou (para que admitir que ele não quis responder?). 

Pergunto a vocês: eu deveria ter parado por ai, não deveria? Aliás deveria ter parado mais cedo ainda...
Resposta: claro que não. Eu simplesmente fui até o fim! (queria saber qual é o fim de um fim que já aconteceu e ai eu vi). Ele fez aniversário eu dei parabéns e ele me convidou para ir na festa dele. Pensei: "se ele não quisesse me ver não teria me convidado". Jamais passou pela minha cabeça "estou convidando por educação"...

Fui na tal festa e só estavam os amigos super próximos, umas amigas super próximas (e que por sinal me mediram de cima em baixo e soltaram uns risos típicos de mulheres que não querem perder o gadinho). Alguém me dá uma pá? Quero cavar um buraco e me enterrar!!!! Ele praticamente não falou comigo. Estava super entretido com os amigos e amigas...na hora de ir embora entrego um presente. Adendo: presente este que passei a tarde inteira procurando porque era muuuuuuuuito específico e eu queria dar exatamente aquilo que procurava. Encontrei o tal do presente!!!!!! Fiquei mega feliz. Ele vai adorar! Porém ao entregar o presente a reação dele foi:

" - Nossa meu primo ia adorar". 

Oi?????? 
Fingi que não entendi o comentário, agradeci o convite e fui embora xingando a mim como se fosse a culpada de toda a miséria no mundo. 

Eu até poderia ter soltado um "ei Déo dessa vez você foi longe demais" mas não precisava ter me autoflagelado por isto. O fato é que por mais que a gente arrume desculpas, justificativas ou coloque panos quentes a gente sempre sabe quando o bolo vai desandar e não adianta colocar mais fermento porque a massa já está passada, a farinha já estragou e o recheio não tem a menor graça. 

Por isto que eu vim aqui compartilhar com vocês. Porque sei que muitas vezes temos a tendência de desculpar o que não tem desculpa. De relevar o que não se releva. Não é para sair cuspindo fogo, mas é para ouvir aquela sua voz sábia da intuição que te diz "PARE AGORA!!!". Essa vozinha sempre nos guia...a gente que tampa os ouvidos. É isso estejam sempre com os ouvidos da intuição bem abertos! Cotonete só no ouvido material! 



7 de abr de 2014

Déo expectativas

Outro dia uma amiga que eu não via faz tempo mandou uma mensagem dizendo que estava vindo para São Paulo e que queria me ver e que iria reservar um dia destes que estivesse aqui exclusivo para mim! Eu fiquei super feliz, claro, e prontamente combinamos o encontro.

No dia do encontro ela manda a seguinte mensagem:
" - Déo, minha amiga Vanessa vai com a gente tudo bem?" 

A partir dai fiquei desanimada. Não porque não gosto da Vanessa. Ela é legal, super simpática, mas poxa ela tinha dito que ia ter tempo para conversar comigo, a gente não se via fazia tempos e eu queria contar algumas coisas da minha vida que com a Vanessa não ia ser possível. Claro que na hora disse que tudo bem.

Alguém já passou por isto ou por situação semelhante. Algo que era para ser feito de uma determinada maneira acabou não acontecendo. O que aconteceu ai foi uma decepção da minha parte. Por que?

Porque o tempo todo criamos expectativas sobre o outro. Sobre a vida. Sobre nossas ilusões, ideias ou pretensões com o outro. Em nenhum momento ela deixou de se importar. Ela queria me ver e ia com a amiga dela, qual o problema? Nenhum.

O resultado foi que além da amiga dela ir um amigo meu de última hora foi também e foi divertidíssimo! Imagina se eu tivesse discutido com ela por isto? 

O que eu estou dizendo aqui é o quanto a gente perde energia com situações que não necessitavam desgaste algum. Muitas vezes nossas energias ficam tão pesadas, densas e carregadas que não temos nem fôlego para rir de uma piada! 

Expectativa é como jogar uma bolinha de tênis para o vazio esperando que alguém a devolva. Ninguém vai devolver e você vai se frustrar. Porque mesmo que alguém tenha falado que ia te devolver a bolinha vai de você acreditar ou não. E você acreditando foi uma escolha sua e não da pessoa. Não estou dizendo com isto para você parar de acreditar nas pessoas, mas para racionalizar suas expectativas, trazer para a razão e entender que quando algo não sai dentro do que você esperou não é culpa de ninguém, apenas que você jogou uma bolinha e ela não voltou para você. 
Sem dramas, dores ou grandes tristezas envolvidas nisto!

Se quiser que as bolas sejam devolvidas utilize-se de um cachorro adestrado, caso contrário, até ele irá te decepcionar!