27 de mar de 2015

E a sua fé?

Você está no emprego dos seus sonhos, feliz da vida, realizado. Encontra-se numa relação super bacana, super parceira, comprometida e saudável. Sabe aquele relacionamento que há tempos você não encontrava? 

Então, é bem este relacionamento ai. Todos da sua família estão bem: tanto de saúde quanto emocionalmente. Você nem se lembra quando foi a última discussão que tiveram e qual o motivo, mas se recorda da última gargalhada que teve com eles.

As coisas estão andando de vento em polpa e você não consegue imaginar a vida de outro jeito.

Você está sem emprego ou com um emprego ruim, ganhando pouco, as pessoas são asquerosas, você não sabe o que é falar com a sua mãe ou seu pai pessoalmente há meses e quando conversam é pelo whatsapp. 

Relacionamento amoroso? 
O que é isso? 
Compra em supermercado? 
" - Ixi nem sei quanto tempo faz". 
Você não vê perspectiva. 
Você não sabe a quem recorrer e se por acaso tem alguém a recorrer.

Te pergunto então: e sua fé? Aonde está?
Em que você acredita? Em qual das situações que mencionei você busca a sua fé e seu equilíbrio.

Eu sei que este blog conta as histórias engraçadas do cotidiano, mas ultimamente tenho visto situações que fogem das histórias engraçadas e entram num campo subjetivo: nossa fé.

A maioria das pessoas que eu encontro buscam sua fé quando está tudo bem. Quando a vida anda sorrindo para elas, ai elas sorriem. O que é fácil, pois é muito fácil agradecer a Deus/Universo ou o que quer que seja que você acredite quando o mundo sorri para você.

" Fé: estado ou atitude de quem acredita ou tem esperança em algo. = confiança, esperança." (Dicionário priberam)."

Por isso que não é ligado à religião e sim no acreditar.E para mim os dois momentos pedem fé: quando estamos bem para fortalecer aquilo que está indo bem e quando nada vai bem para exercer a resiliência e a resignação.

A rapidez dos acontecimentos, a velocidade dos relacionamentos faz com que as coisas tenham a obrigação de acontecer no dia, hora, minuto e segundo que queremos. 

E esquecemos que muito "sofrimento" que arrumamos são mais "sofrências" nossas do que de fato dores. Preferimos ficar ruminando coisas que aconteceram, dores que nos perturbam porque assim construímos nossos muros, nossas barreiras e desculpas para qualquer outra situação que iremos passar semelhante àquela em que vivemos.

Ou seja, não vivemos cada fase que temos que viver e vamos atropelando tudo. Fugindo e fingindo que nada está acontecendo.

Cada fase tem sua importância e sentí-las faz parte do amadurecimento.
Quantas vezes você passou por uma situação e logo depois que passou você pensou " - sabe que foi bom ter passado por tudo aquilo que eu passei? Se não fosse aquilo eu não saberia reagir a tal situação hoje."

Em resumo é: vamos parar de dramatizar situações e vamos sentir, sofrer o que tem que ser sofrido e depois continuar a caminhada? Vamos deixar o papel de coitadinhos e vítimas do mundo e vamos olhar para nós mesmos procurando a resposta em nós e não a culpa no outro?

E outra coisa: vamos agradecer mais? 


Se as coisas não estão saindo como você quer agradeça a possibilidade de testar seus limites, sua coragem, sua força, mas chega de "mimimi", de "sou vítima do mundo", "não tenho sorte", "sou legal, mas o mundo não gosta de mim". 


Vamos sair do muro das lamentações e vamos para a caminhada das atitudes!!



Quem tem a ganhar?
Primeiro você porque vai se sentir muito mais seguro e forte e em segundo o mundo ao seu redor, "porque gente feliz não enche o saco".

Fé pra todo mundo!

23 de mar de 2015

Ai que vergonha!

Você tem uma história curiosa, diferente, engraçada ou simplesmente quer compartilhar? O conta pra mim, Déo é feito para você! Mande sua história para caiforadeo@gmail.com que eu conto!

Hoje vou contar uma peculiaridade da Dani Vieira! 

Oi Déo, tudo bom?
Bom Déo o meu tema é timidez...existem basicamente 3 situações que me deixam tímida: cantada de pedreiro, elogios em público e aniversário.

Cantada de pedreiro - é algo que serve para testar sua capacidade cognitiva.

Geralmente tenho aquele problema da cabeça descontrolada. Explico: sabe quando a pessoa fica tensa e um olho começa a “pular”? No meu caso é minha cabeça! Ela começa a balançar (levemente, claro). São movimentos involuntários, como aqueles cachorrinhos de enfeites de carro. E ai fico com a sensação de que ela vai se desencaixar do pescoço e vou ter que correr na rua para recuperá-la.

Ainda não sei se as pessoas percebem mas, é triste! 
Nesse caso em específico ainda costumo combinar uma “virada de pé” para completar a esquisitice. Realize a cena Déo: estou andando normal e de repente dou aquela entortada, como quem dança a música “kuduro”, sabe como?

E fico admirada em ver como são criativos!!! 
As palavras discretas são do tipo que você tem vontade de entrar no bueiro de tanta vergonha. Outro dia ouvi um “êêêêê bitela!” – esse foi o mais leve, acreditem! (odeio esse apelidinho: bitela! Vontade de dizer: bitela é a tua mãe)

Mas admito que o ego agradece! (mas bem que o pessoal do andaime poderia ser mais discreto né)


Quanto a elogios, claro que ADORO, porém, quando tem muita gente por perto vou ficando desconsertada a ponto de me esquecer onde estou. Ai começa o efeito cascata: enxergo praticamente tudo em 3D dependendo da situação,  me esqueço de nomes, confundo assuntos só faltando cair com minhas madeixas vermelhas no chão, mas...reconhecimento é tudo de bom né? Vale a pena ser tida como doida de pedra em alguns momentos (no meu caso são mais momentos...hahaha..mas nem ligo).

E dia de niver
É daquele jeito! Começo a sentir minhas bochechas queimarem como fogo e fico com aquela cara de tomate sem alface na hora do parabéns.

Adoro o carinho das pessoas, os abraços, os sorrisos...
Se eu não fosse tããão “reservada” contaria que depois fico lendo o cartão de novo e de novo...tipo umas duzentas vezes. E se soubessem o que representa todo esse presente pra mim – não falo só do presente efetivamente – entenderiam como fico feliz!

Dou muito valor a amizade e ao carinho de todos, só não gosto das minhas bochechas rosadas, ou melhor queimando...porque não consigo nem disfarçar!

Eu acredito que muitas pessoas sejam tímidas como eu, mas nem todas tem coragem em dizer, obrigada pelo espaço! 

Um beijão

16 de mar de 2015

Não mexa em gaveta velha

Outro dia eu fui fazer a contabilidade beliscal no meu facebook.
Alguns beliscos, rolos e ex-namorados eu mantive no face por não me fazerem mal algum e ao final deixarmos um na vida do outro algo positivo (nem que seja a sobremesa preferida dele que eu acabei amando também).

Depois do bode do fim da relação, da raiva e do ciúmes da próxima namorada, vem esta paz interior que não liga mais para o que acontece na vida deles, pelo menos é assim que funciona comigo.

Semana passada decidi ir visitar as páginas deles. Embora eu tenha eles no face, eu não os "sigo" ou seja, não vejo atualização da timeline deles por opção minha mesmo. Porque eu não preciso saber o que eles estão fazendo depois de minha entrada e saída na vida deles. 

Comecei por ordem cronológica (os rolos, beliscos mais antigos até os mais novos).

- Renato - foi meu namorado efetivamente. Aquela coisa toda das nossas famílias conhecerem a gente, do primo querer sair com a gente para as festeeenhas, da irmã ter ciumes do irmão, etc...
Status dele - namorando há anos com uma pessoa que parece muito com ele de rosto e de opção de vida e no último post (olha meu radar) eles estavam comunicando um possível noivado.
Status meu - ele não queria casar nunca e está noivo. Em choque!

- Paulo - foi meu rolinho fofo, romântico e dedicado. Uma história linda de "amor" que começou no Carnaval e acabou na Páscoa. Vivemos bons momentos, mas cada um foi para seu lado por questão de logística. Eu de São Paulo, ele de Curitiba. Não tinha como dar certo porque na época ninguém poderia sair da cidade natal e mudar para a cidade do outro. Sofremos na época, mas maduramente entendemos que o melhor era aceitar a distância e nossa vida sem o outro.
Status dele - acabou de casar (de novo) e a esposa está grávida (de novo)!
Status meu - em choque (de novo)!

- Marcel - o cara mais doido e doente que eu já conheci na vida, mas que tinha uma lábia tão bem feita, tão bem "labiada" e um jeito safado de ser que me conquistava sempre na segunda frase, independente de qual fosse ela. Aquele típico cidadão que não vale 1 centavo, mas que você paga todas as suas fichinhas para jogar de novo o jogo dele.
Status dele - casado e com um filho pequeno.
Status meu - eu poderia ser mãe! Em choque maternal!

- Ricardo - belisco que eu gostava de sair para dar um tapa na cara da sociedade preconceituosa e dizer que café com leite é uma bebida maravilhosa! Meu negão bombom delicioso. Pegador, mas discreto, não dava ponto sem nó, toda vez que conversava comigo me chamava de princesa (pode ser brega, mas quando ele falava era bom demais).
Status dele - em relacionamento sério com a ex dele (antes de mim) com declaração no face e tudo mais.
Status meu - em choque...profundo (sempre desconfiei que ele ainda gostava dela :( nas nossas saídas)

Parei de fazer minhas pesquisas porque estava ficando depressiva demais!

Foi quando o Marcos aparece no messenger do face e fala que está com saudades...
(ele foi um rolo que foi e voltou trezentas vezes e da última vez eu falei que estava cansada do relacionamento iô-iô que tínhamos, mas eu adoraaaava esta relação doidinha).

Conclusão: quanto mais mexe mais fede, então deixa o cheiro ruim aparecer sozinho, você não precisa revirar gavetas para chegar a conclusão alguma. Quem vive de passado é arqueólogo.





10 de mar de 2015

Seca x Enchente

Você está numa seca dos infernos!

O carteiro precisa da sua assinatura para uma carta registrada e você começa a ter milhares de pensamentos obscenos com ele, mas claro que para ele você quase não olha. Só fica na sua mente.  Naquela sua grande e fértil mente.

O porteiro do flat diz “Bom dia” e você já achou ele bem carinhoso neste bom dia (além do fato dele ser realmente uma gracinha).

Até aquele irmão beeeem mais novo da sua amiga que vivia pagando pau pra você está super apaixonado pela nova namoradinha e não te quer, ou seja, situação difícil e crônica mesmo. Se bobear nem passando na obra você é notada!

Nestas épocas de seca parece que o mundo te acha invisível, ou melhor, não acha, pois você se torna invisível.

Até que por alguma força do Universo alguém do sexo masculino (no meu caso masculino no de outras pessoas pode ser feminino) resolve te achar visível. Por algum motivo ainda não descoberto pela ciência um homem aparece na sua vida.

Entendam que “aparecer” é qualquer pessoa do sexo masculino que por algum motivo surge do nada, pode ser adicionando você no facebook, whatsapp ou qualquer outra forma aleatória de encontro.

Pronto!

Me respondam: que p*##@ de radar é este que pode localizar outro macho alfa a quilômetros de distancia e ainda por cima ressurgir do nada?

É ex-rolo que nunca mais falou com você te chamando no face, é aquele cara do tinder que você nunca quis eliminar do whatsapp porque sempre achou que poderia ser um potencial belisco, até o irmão beeeeem mais novo da sua irmã aparece com um “sds” no seu celular!!!

Vamos combinar uma coisa?

Podem aparecer todos, mas vamos alternando?

A Deozinha não sabe trabalhar com distribuição de carinho para mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Ela é muito estabanada e troca nomes (outra hora conto esta história) confunde o nome da irmã, chama um para ir no show que o outro gosta, é um inferno!

Facilitem o meu trabalho que tem Déo para todos, contanto que seja de forma ordenada. Não sou padaria e nem fast food, muito menos Bruna Surfistinha para sair distribuindo...nada contra, mas é muita gente para administrar!

2 de mar de 2015

Novas inoportunas oportunidades

Se deu algo errado com o algum belisco que eu estou saindo vem um enxoval de justificativas das minhas amigas e todas dizendo que eu escolho demais, que eu sou exigente, que eu preciso relevar...

Quando conheci o Bernardo eu nem dei bola para ele. Não me atraiu fisicamente, mas todo mundo dizia que ele era super afim de mim. Foram várias baladas, bares e ele sempre batendo papo comigo, conversando, fazendo piadas. Ele realmente é divertido, mas além da parte física que não me atraia ele faltou feio nas aulas de português, soltava uns " pra mim fazer ", "nois vai naquele bar" e quando mandava whatsapp eu prefiro nem comentar os altos abusos que ele teve com a língua portuguesa.

Para tentar dar um toque eu repetia a frase, vide exemplo abaixo rs:
" - Oi Deo se você quizer podemos derrepente sair amanhã para faser alguma coisa, que tal?"
- Oi Bê, se eu quiser de repente podemos fazer alguma coisa sim, nada muito tarde...

Mas ele devolvia sempre com algo pior:
" - Pra mim faser alguma coisa com você pode ser qualquer coisa que tá valendo".

Para a situação não piorar eu falava ta bom e cortava o assunto.
O negócio todo é que depois de algumas saídas só nos dois acabei me encantando por ele todo dedicado, todo educado, todo gente fina comigo. Pensei comigo: melhor um cara dedicado e não tão inteligente e bonito, do que um inteligente, bonito e sem noção. 

Depois de um mês nesta pegada o "derrepente" perdeu aquele horror, "pra mim faser" tinha até que uma certa lógica e seu charme e tudo bem cada um quer da maneira que "quiser". 

Um belo dia eu estava pronta para sair com ele (tudo combinado com ele) e toca meu telefone. O próprio dizendo que não ia poder sair comigo e que não tinha coragem de me ver pessoalmente para dizer o que precisava ser dito. E o que ele precisava dizer é que eu estava sufocando ele! Oi????? Ele disse que toda semana saia comigo e estava se sentindo preso e que ai a Nathanielen era muito mais de boa e que ele já estava saindo com ela há duas semanas e tinha pedido ela em namoro naquele dia.

Oi 2???????
Era ele quem sempre me ligava programando nossos finais de semana. Era ele que quando eu ligava meu wsap já havia mandado bom dia lindinha da minha vida, etc etc etc. Gifs, emotiocons, youtubes com músicas românticas e mais um monte de coisa...e agora eu que estava sufocando ele?????

O fim foi ai mesmo bem na hora que ele disse suas pérolas " É muito sufocante você fica sempre grudada ni mim. Eu preciso de alguém que me deixe livre e involua comigo." 

Depois destas pérolas concordei com ele:
- Tá certo Bernardo, você precisa involuir, pois evoluir ai vai ser difícil.

Ai fui toda decidida contar para os amigos e amigas de plantão o que havia acontecido e sabe o que eu ouvi? Que eu devo ter humilhado ele com a minha desenvoltura e inteligência... #chatiada! Eu mereço gente?

Ai dei de cara com esta tirinha do Mulher de 30 e achei propício!
E ai pessoal? Alguém já passou por isto? Conta ai para mim!